O Ódio

O ódio no início era destilado, de alta qualidade. Quem nele mergulhava sentia prazer e se jubilava na mutualidade do gozo.
Agora o ódio, estragado, já não é reagente da euforia, mas da vergonha. Aos poucos encegueira os odientos a se voltarem contra eles mesmos.
O ódio podre em breve se tornará letal e, mortos vivos, os odientos realizarão as mais nefastas fantasias do cinema paranóide.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s