Uma Mosca

Poema de 26 de Novembro de 2011.

Uma mosca,
infame e
ininterruptamente,
higieniza-se.

Sobre o filtro de barro
cheio de água potável,
a admirar os escombros do seu banquete,
refestela-se.

O açúcar, a cenoura,
o resto de coentro,
a omelete, a soja,
a bosta do gato,
eu e minha própria bosta:
alimentos desta mosca.

Abandonados feito carcaças:
Minha carne morta, sebosa e putrefata,
minha casca fenecida, meu sangue,
minha língua, minha vida.

Farta do açúcar, do gato, do ovo, da soja,
da cenoura, do coentro e de mim, sua comida,
uma mosca, infame e ininterruptamente, se higieniza.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s