Desacalabro

As coisas que estavam sobrepostas,
alinhavadas na memória,
foram deitadas fora.

Rodopiam agora em mil furacões.
Eu, outra vez sem calções,
em plena praia lotada.

Toda a areia da moela
para dentro de minha goela
junto com dois quilos de sal, anormal.

Haja vista o iminente descalabro,
tirem as crianças da sala!

Sou uma fruta vazia de sumo agora.
Antes, as coisas todas sobrepostas.

Poema, música e declamação: Murilo Guimarães.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s