Cegueiras

Havia o casal de cegos, guiando-se um ao outro em direção à estação Marquês de Pombal. Havia a mulher cega e insegura a transitar entre as lojas desta mesma estação. Havia o homem cego guiado por uma mulher que coreografou uma manobra entre os bancos de um vagão de metrô, antes de abrir passagem até o lugar onde ele se sentou. Havia o belo jovem cego com mochila às costas, que recebeu olhares de piedade dos que passavam por ele na estação Entre Campos e o outro jovem, mais alto e forte que, na estação Roma, abria caminho entre os que fingiam não o ver. Havia o mendigo cego, na escadaria da estação Rato a falar ao celular, com um enorme livro em braile pousado no colo e havia ainda a mulher cega a andar em direção à estação Saldanha, submersa nas vozes dos que passavam apressadamente ao seu lado sem notar a sua presença sorumbática.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s